5 – IPv6

ipv6-image1

       O IPv6 é a versão 6 do protocolo IP, também denominado IPng, de “Internet Protocol Next Generation” , que está a ser implantado gradualmente na Internet e deve funcionar lado a lado com o IPv4, por algum tempo. A longo prazo, o IPv6 tem como objectivo substituir o IPv4, que só suporta cerca de 4 bilhões de endereços, contra cerca de 3.4 x 1038 endereços do novo protocolo. A previsão actual para a exaustão de todos os endereços IPv4 livres para atribuição é de Outubro de 2010, o que significa que a implantação do IPv6 é inevitável num futuro próximo.

 

Principais Novidades e Vantagens do IPv6 em relação ao IPv4

·   Espaço de Endereçamento. Os endereços IPv6 têm um tamanho de 128 bits à frente dos endereços de 32 bits do IPv4. Portanto, a quantidade de endereços IP disponíveis vão multiplicar-se 7,9 x 10 28 vezes.

Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.

– 2^128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 endereços

– 79 trilhões de trilhões de vezes mais que no Ipv4.

– 5.6 x 10^28 endereços IP por ser humano.

– aproximadamente, 66.557.079.334.886.694.389 de endereços por centímetro quadrado na superfície da Terra.

·   Autoconfiguração de endereço. Suporte para atribuição automática de endereços numa rede IPv6, podendo ser omitido o servidor de DHCP a que estamos habituados no IPv4.

·   Endereçamento hierárquico. Simplifica as tabelas de encaminhamento dos roteadores da rede, diminuindo assim a carga de processamento dos mesmos.

·   Formato do cabeçalho. Totalmente remodelados em relação ao IPv4.

cabecalho

 

·   Cabeçalhos de extensão. Opção para guardar informação adicional.

·   Suporte a qualidade diferenciada. Aplicações de áudio e vídeo passam a estabelecer conexões apropriadas tendo em conta as suas exigências em termos de qualidade de serviço (QoS).

·   Capacidade de extensão. Permite adicionar novas especificações de forma simples.

·   Encriptação. Diversas extensões no IPv6 permitem, à partida, o suporte para opções de segurança como autenticação, integridade e confidencialidade dos dados.

·   Aplicações de tempo-real: Para dar melhor suporte ao tráfego de tempo-real (i.e. videoconferência), o IPv6 inclui o rotulado dos fluxos nas suas especificações. Com este mecanismo os routers podem reconhecer a qual fluxo pertencem os pacotes transmitidos.

·   Plug-and-Play: O IPv6 inclui o standard “plug-and-play”, mecanismo que facilita aos utilizadores a ligação dos seus equipamentos à rede. A configuração realizar-se-á automaticamente.

· Especificações claras e optimizadas: O IPv6 seguirá as boas práticas do IPv4, eliminará as características não utilizadas e obsoletas do mesmo para optimizar o protocolo da Internet. A ideia com o protocolo actual é, manter o bom e suprimir o mau.

 

 Formato do datagrama IPv6

Um datagrama IPv6 é constituído por um cabeçalho base, ilustrado na figura que se segue, seguido de zero ou mais cabeçalhos de extensão, seguidos depois pelo bloco de dados.

Formato do datagrama do IPv6

Formato do datagrama do IPv6

O “Header” do IPv6 foi simplificado em relação á sua versão anterior. O novo “header” consiste num conjunto de oito campos de 40 bytes fixos, ao contrário do cabeçalho do IPv4, que varia de 20 a 40 bytes, o que dificulta o processamento de pacotes nos “routers”. O routeamento torna-se mais fácil com pacotes de tamanho uniforme.

 

O primeiro campo do “header” do IPv6 é o campo VERSION (4 bits) que permite identificar se o pacote é do protocolo IPv4 ou do IPv6, uma vez que é possível os dois funcionarem em simultâneo.

 

O campo PRIORITY (4 bits) ou (TRAFIC CLASS) determina o nível de prioridade dos pacotes IPv6. Os valores de prioridade estão divididos em duas classes: valores de zero a sete são usados para especificar a prioridade de trafego para o qual o originador providencia controlo de congestão; os valores

de oito a quinze são utilizados para especificar a prioridade de trafego para a qual não é realizado controlo de congestão.

 

O campo FLOW LABEL (24 bits) é o identificador de fluxo. Consiste num valor arbitrário que pode ser utilizado pelo originador para identificar pacotes para os quais tenha requerido uma determinada qualidade de serviço por meios externos ao protocolo IP em si. Um fluxo é uma sequência de pacotes enviados por um determinado remetente a um destino específico para qual o remetente deseja um tratamento especial por parte dos routers intervenientes no encaminhamento de pacotes.

 

O campo PAYLOAD LENGTH (16 bits) indica o número de bytes que seguem ao cabeçalho, ou seja o tamanho do pacote de dados.

 

O campo NEXT HEADER (8 bits) identifica o tipo do cabeçalho que se encontra imediatamente após o cabeçalho IPv6.

 

O campo HOP LIMIT (8 bits) mostra o número de nós intermédios que o pacote pode percorrer. Este valor é decrementado de uma unidade em cada nó que encaminha o pacote.

 

O campo SOURCE ADDRESS (128 bits) é o endereço de origem enquanto que o DESTINATION ADDRESS (128 bits) é o endereço de destino.

 

Endereçamento

O endereçamento no IPv6 é de 128 bits, e inclui prefixo de rede e sufixo de host. No entanto, não existem classes de endereços, como acontece no IPv4. Assim, a fronteira do prefixo e do sufixo pode ser em qualquer posição do endereço.

Um endereço padrão IPv6 deve ser formado por um campo provider ID, subscribe ID, subnet ID e node ID. Recomenda-se que o último campo tenha pelo menos 48 bits para que possa armazenar o endereço MAC.

Os endereços IPv6 são normalmente escritos como oito grupos de 4 dígitos hexadecimais. Por exemplo,

3ffe:6a88:85a3:08d3:1319:8a2e:0370:7344

Se um grupo de vários dígitos seguidos for 0000, pode ser omitido. Por exemplo,

3ffe:6a88:85a3:0000:0000:0000:0000:7344

é o mesmo endereço IPv6 que:

3ffe:6a88:85a3::7344

Existem no IPv6 tipos especiais de endereços:

  • unicast – cada endereço corresponde a uma interface (dispositivo).
  • multicast – cada endereço corresponde a múltiplas interfaces. É enviada uma cópia para cada interface.
  • anycast – corresponde a múltiplas interfaces que partilham um prefixo comum. Um datagrama é enviado para um dos dispositivos, por exemplo, o mais próximo.

       O endereçamento unicastanycast do protocolo IPv4 basicamente continuam imutáveis na IPv6. No entanto, o endereçamento broadcast foi substituído pelo endereçamento multicast.

Objectivos do IPv6

§    Simplicidade;

§    Escalabilidade;

§    Flexibilidade topológica;

§    Desempenho;

§    Robustez;

§    Transição;

§    Independência ao meio;

§    Orientação a datagrama;

§    Facilidade de configuração;

§    Segurança;

§    Multicast;

§    Mobilidade;

§    Qualidade de serviço;

§    Potencialidade de evolução.

 

 

 

 

Fonte: www.wikipedia.pt 

 http://www.arsys.pt/ajuda/directorio/infraestructura-tecnica/ipv6.htm 

http://www.ipv6.br/ 

http://student.dei.uc.pt/~sergiod/CP/IPv6.pdf

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: